Pesquisa no Google

 
bove=""

 

Rádio Web

RaxaKuka

Resumo de Notícias

A SAÚDE HUMANIZADA EM SJE - PARTE 3

10 Outubro 2013
A SAÚDE HUMANIZADA EM SJE - PARTE 3

       SAÚDE HUMANIZADA EM SÃO JOSÉ DO EGITO   Ontem, 30/09/2013, eu e minha esposa fomos ao hospital municipal de São José do Egito, levar minha gatinha Maria...

A INUSITADA FILOSOFIA DE VIDA DOS ISLANDESES

08 Julho 2018
A INUSITADA FILOSOFIA DE VIDA DOS ISLANDESES

  A inusitada filosofia de vida dos islandeses Se a Islândia tivesse um slogan nacional, seria ‘þetta reddast’, o que pode ser traduzido como a ideia de que tudo vai...

A SAÚDE HUMANIZADA EM SJE - PARTE 2

10 Outubro 2013

Hoje, 09/10/2013, o  Diretor Médico do Hospital de São José do Egito, mim procurou para fazer alguns esclarecimentos:que não concorda, não pactua,com o atendimento dado pela Drª Itana, no dia...

 

globo

Previsão do Tempo

Curta No facebook

Login

PM PREPARADA AGE NO MOMENTO CERTO DEFENDENDO A SOCIEDADE.

PM PREPARADA AGE NO MOMENTO CERTO DEFENDENDO A SOCIEDADE.

PM que matou ladrão na porta da escola em Suzano é homenageada: 'Pensei...

INTERNET PARA TODOS

INTERNET PARA TODOS

VEJA ABAIXO QUANTO SEU MUNICÍPIO VAI RECEBER E COBRE DO PREFEITO ESSES RECURSOS PARA...

TERCEIRIZADA ATRASA SALÁRIO EM SJE.

EMPRESA NA CONTRA MÃO DA LEGISLAÇÃO: "MAIS RESPEITO COM AQUELE...

MODELO BRASILEIRO DE SEGURANÇA ESTÁ FALIDO

MODELO BRASILEIRO DE SEGURANÇA ESTÁ FALIDO

  Alba Zaluar antropóloga e pesquisadora...

O depoimento de Antonio Palocci e as malas de dinheiro de Geddel Vieira Lima são voz e imagem do capitalismo de compadrio brasileiro. Como podemos nos livrar dele?

 

JOÃO GABRIEL DE LIMA
08/09/2017 - 20h49 - Atualizado 08/09/2017 21h10

O governo escolhe algumas empresas – as campeãs nacionais. Franqueia facilidades a essas empresas. Em geral, contratos milionários com estatais ou empréstimos camaradas de bancos do governo. Parte do dinheiro, invariavelmente, sai do Tesouro – do contribuinte. Em troca, as campeãs nacionais financiam as campanhas do governo, que assim se perpetua no poder. Em cinco frases, pode-se resumir assim o capitalismo de estado da era PT-PMDB. A academia americana já tem um nome para esse fenômeno: crony capitalism – em português, capitalismo de compadrio. Acrescentando-se a essa fórmula a vasta circulação de propinas, talvez os historiadores do futuro resumam a era Lula-Dilma-Temerem três palavras: capitalismo de compadrio corrupto.

Nos primeiros anos, parecia que o governo Lula seria lembrado pelos historiadores como um ciclo modernizador. De um lado, preservava as conquistas do período anterior – estabilidade da moeda e responsabilidade fiscal. De outro, aperfeiçoava aquilo a que, na era Fernando Henrique, se chamava de “rede de proteção social”, tornando-a mais eficiente e mais focada. Tudo isso respeitando a democracia tão duramente conquistada. O que o filósofo Renato Janine Ribeiro definiu como o tripé modernizador do Brasil – democracia, inclusão social, estabilidade econômica – parecia um consenso nacional.

Em algum momento do segundo governo Lula começou o retrocesso. Talvez tenha sido, como sugeriu o ministro Antonio Palocci em seu depoimento esclarecedor na quarta-feira (6), na descoberta do pré-sal. O governo viu aí a oportunidade de gerar dinheiro não apenas para melhorar a situação social do país, mas também para se perpetuar no poder. A troca de favores entre poderosos, tão típica do Brasil antigo, voltou a ser prática corrente. As malas de dinheiro encontradas no apartamento de Geddel Vieira Lima – que ocupou cargos de confiança nos governos Lula, Dilma e Temer – são imagem simbólica do capitalismo de compadrio corrupto.

Poucas vezes as entranhas de tal sistema ficaram tão expostas quanto nesta Semana da Pátria, em que os nomes das campeãs nacionais de corrupção – Odebrecht e JBS – voltaram às manchetes. Como o país pode se livrar dessa cultura perniciosa? A Operação Lava Jato, que pela primeira vez na história brasileira processa e pune os grandes corruptos, é um começo. Mas não se trata apenas de um caso de polícia. É preciso acabar com os mecanismos que possibilitam o capitalismo de compadrio corrupto. O governo não pode ter tantos instrumentos para fazer escambo com empresas, nem tanta facilidade para burlar pareceres técnicos. Menos campeões nacionais e mais foco na inclusão social com estabilidade econômica. Menos empresas estatais, menos bancos estatais, menos bolsa-empresário – e mais educação, saúde e segurança para os cidadãos. Eis um bom tema de debate para a campanha presidencial do ano que vem.

O ex- ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci (Foto: WILSON PEDROSA/ESTADÃO)

O ex-ministro-chefe da Casa Civil Antonio Palocci. Seu depoimento mostrou como funciona o capitalismo de compadrio brasileiro (Foto: Wilson Pedrosa/Estadão)

fonte: G1/REVISTA ÉPOCA.

FERNANDO CUNHA - 09/10/2017

Submit to DeliciousSubmit to DiggSubmit to FacebookSubmit to Google BookmarksSubmit to StumbleuponSubmit to TechnoratiSubmit to TwitterSubmit to LinkedIn

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar